sexta-feira, junho 30, 2017

E dous ... Porta Nova versus plaza de España, ... Por Joam Tavia - A luita segue, há muito que transformar e mesmo subverter em Ferrol, na Galiza, no reino de Espanha e no mundo.


Por Joam Tavia [*]
30.06.2017

Hoje por motivos laborais, nom pudem estar na proposta sobre a restituiçom do topónimo original à Porta Nova. Todas as informaçons que me chegaram falavam da boíssima intervençom de Bruno (Fundaçom Artábria) do bom fazer de Ivan (BNG) e de que FeC depois dum início com dúvidas se somava ao si, como nom? também o das duas concelheiras que procedentes da lista do PSOE, formam parte do governo municipal e também agradeço o si de Esther Leira, companheira da CIG Admon, filóloga e concelheira agora nom adscrita. Foi umha derrota, (a favor 9, 11 contra e três abstençons) mas umha derrota com honor, como diriam os clássicos, e trabalho valente, responsável e sério.

Já está bem de tabús ferrolanos e deixar que os de sempre fachendeem de ferrolanismo barato. Nós nom somos ferrolanistas, somos galegos e galegas e por suposto que queremos muito a Ferrol, temos levado muitos paus e sofrido por esta comarca e o seu futuro. Cremos na sua gente, galegos e galegas de bem, gente trabalhadora que só aspira a ser dona se si, do seu pais e solidária com o mundo.

Quando cheguei do choio ainda pudem acompanhar ao irmao Pintos e escuitar com ele as intervençons na moçom de apoio e solidariedade com ele. Foi aprovada polo conjunto das forças de esquerda e nacionalistas. Lamento que para PP e C's, prime a vingança, como dixo Iván e solicitou com veemência, podiam ter votado a favor. Isso também ajudaria para vermo-nos  uns aos outros como rivais e nom como inimigos. O alcaide na sua interveçom mencionou-me dizendo que ele estava ali, junto a Xam e Pintos, é verdade. Há momentos de irmandade de classe nos que estamos juntos como os dedos arredor do punho. Para mim sempre foi um privilégio estar com os oprimidos e oprimidas frente aos poderosos. E agora que vou para velho nom vou mudar.

A luita segue, há muito que transformar e mesmo subverter em Ferrol, na Galiza, no reino de Espanha e no mundo. Recuperar  serviços para o público, dignificar, repartir e bem pagar o trabalho, distribuir a riqueza, fomentar a igualdade predicada polo feminismo, acobilhar aos e as desamparados, acolher à gente de outras culturas e países como irmaos, nom de religiom ou étnia  senom de pura humanidade. E nom esquecer nunca a busca da felicidade!

Há tanto que fazer e é tam curta a vida de um! Dixo Chaplin.

Verdade Moncho, hoje de cabodano, verdade Elena, Xan Quinhoá, Begonha , Martinho, John. Aqui estades na nossa memória, a eternidade dos ateus.

[*] Joam Tavia, Narón. Licenciado em História e membro da Fundaçom Artábria.

Enviado por:
Joam Tavia
-jtavia@gmail.com-
30 de junho de 2017 10:33

___________________


Por favor, o contido do seu comentario debe estar relacionado co asunto do artigo.

Prega-se o maior respecto coas persoas, polo que ataques persoais e insultos serán eliminados.

Por favor, non use os comentarios, só para facer propaganda do seu sitio ou será eliminado.
EmoticonEmoticon